Fogos para a entrada de 2010 – O Site do Mazzei mostra a QUÍMICA DOS FOGOS DE ARTIFÍCIO.

A QUÍMICA DOS FOGOS DE ARTÍCIO
Há séculos, sabe-se que muitos materiais podem emitir luz quando excitados. Isto ocorre quando os elétrons dos átomos absorvem energia e passam para níveis externos (maior energia), e ao retornar para os níveis de origem (menor energia), liberam a energia absorvida – emitindo luz com a coloração característica de cada “salto” energético (diferentes comprimentos de onda) para cada elemento químico . Este é o princípio de Neils Bohr.

Este fenômeno é usado, por exemplo, na produção dos fogos de artifício, que é basicamente, um dispositivo que fica envolvido em um cartucho de papel (em geral, em forma de cilindro). Na parte inferior do cartucho fica a carga explosiva que dispara os fogos para o alto, o propelente mais utilizado é a pólvora negra, esta nada mais é do que uma mistura de salitre (nitrato de potássio), enxofre e carvão, que foi um grande e importante desenvolvimento na história da humanidade. Outro propelente comum é o altamente explosivo perclorato de potássio (KCLO4), que é misturado com a pólvora. Na parte superior fica a ‘bomba’, com pequenos pacotinhos de sais de diferentes elementos. Quando os fabricantes desejam produzir fogos de artifício coloridos, misturam à pólvora compostos de certos elementos químicos apropriados, utilizam sais de diferentes metais na mistura explosiva (pólvora) para que, quando detonados, produzam cores diferentes.

Continue lendo