Para você quem vai prestar o ENEM hoje e amanhã

Eu deixo o meu carinho e apoio em forma dessas pequenas linhas e dessa música.
Conselho: leia ouvindo à música…..vai te revigorar!! rsrsrsrs
Bom mesmo é ir à luta com determinação,
abraçar a vida com paixão,
perder com classe
e vencer com ousadia,
porque o mundo pertence a quem se atreve
e a vida é muito para ser insignificante.
A cada dia somos desafiados a vencer obstáculos
nos superando diante dos nossos próprios atropelos.
Mas para sermos vencedores, temos que ser otimistas e ser donos de nós mesmos.
Donos do saber de que podemos o que quisermos.
Precisamos, acima de tudo, ter coragem de
transformar os sonhos em realidade.
 
Anúncios

A Crise Hídrica

Fala, minha tribo!!

Todos nós, envolvidos com o ENEM e com o vestibular no Brasil, temos a CRISE HÍDRICA como assunto importante para uma boa execução de prova. Encontrei essa matéria e estou dividindo com vocês.

Com 12% a 16% da água doce disponível na Terra, o Brasil é um país rico nesse insumo que a natureza provê de graça à população e à economia. Cada habitante pode contar com mais de 43 mil m³ por ano dos mananciais, mas apenas 0,7% disso termina utilizado.

Continue lendo

barrinha1

Aérea chinesa conclui primeiro voo comercial movido a óleo de cozinha

Uma companhia aérea chinesa completou neste sábado (21) o primeiro voo comercial do país abastecido com um biocombustível feito à base de óleo de cozinha usado, em um momento em que o governo busca promover uma sustentabilidade ambiental mais ampla.
O voo da Hainan Airlines, de Xangai para Pequim, utilizou biocombustível fornecido pela companhia China National Aviation Fuel e pela gigante da energia Sinopec, de acordo com um comunicado da fabricante de aviões americana Boeing.

O avião empregado, um Boeing 737, usou uma mistura 50% a 50% de querosene de aviação convencional e biocombustível feito de “óleo de cozinha usado, coletado de restaurantes na China”, acrescentou. Uma porta-voz da Boeing confirmou à AFP que o voo tinha sido concluído no sábado.

 

Continue lendo

barrinha1

Maior aquífero do mundo fica no Brasil e abasteceria o planeta por 250 anos

Imagine uma quantidade de água subterrânea capaz de abastecer todo o planeta por 250 anos. Essa reserva existe, está localizada na parte brasileira da Amazônia e é praticamente subutilizada.

Até dois anos atrás, o aquífero era conhecido como Alter do Chão. Em 2013, novos estudos feitos por pesquisadores da UFPA (Universidade Federal do Pará) apontaram para uma área maior e nova definição.

“A gente avançou bastante e passamos a chamar de SAGA, o Sistema Aquífero Grande Amazônia. Fizemos um estudo e vimos que aquilo que era o Alter do Chão é muito maior do que sempre se considerou, e criamos um novo nome para que não ficasse essa confusão”, explicou o professor de Instituto de Geociência da UFPA, Francisco Matos.

Continue lendo

barrinha1

Brasileiros transformam caixa d’água em miniusina hidrelétrica

No que depender de dois engenheiros brasileiros, você poderá usar em um futuro próximo a sua caixa d’água para gerar eletricidade para sua casa. Jorgea Marangon e Mauro Serra criaram a UGES (Unidade Geradora de Energia Sustentável), que poderia ser utilizada em qualquer caixa d’água, independente do tamanho.

Na prática, a UGES funciona como uma miniusina hidrelétrica na sua casa. O sistema usa a pressão da água que vem da rua para abastecer a caixa para geração de energia.

“Ao entrar pela tubulação para abastecer a caixa, a água que vem da rua é pressurizada pelo sistema gerador de energia, passando pela miniusina fixada e angulada na saída de água do reservatório”, explica o inventor Mauro Serra.

 

Continue Lendo

Japão vai começar a construir um muro gigante de gelo em Fukushima

Lembra daquela vez que o Japão teve uma ideia maluca de construir uma parede gigante de gelopara conter os vazamentos de água radioativa da usina de Fukushima? Bem, eles conseguiram apoio, e vão colocar a ideia em prática. De verdade.

Após examinar os planos da Tokyo Eletric Power Co (TEPCO) para construir uma parede de gelo gigante, o órgão regulador de energia nuclear japonês aprovou a construção da barreira. Técnicas parecidas já foram usadas no passado, mas nunca com a mesma escala como neste projeto proposto para Fukushima. Falando ao PhysOrg, um representante anônimo explicou que:

Tínhamos algumas preocupações, incluindo a possibilidade de parte do chão afundar. Mas não houve grandes objeções ao projeto na reunião, e concluímos que a TEPCO pode seguir em frente ao menos com parte do projeto proposto após passar por alguns procedimentos necessários.

Em junho, engenheiros construirão o muro de 1,5km que deve estancar o fluxo da água radioativa.Já explicamos como isso funcionará:

A ideia é posicionar canos verticais com cerca de um metro de distância entre 20 e 40 metros no chão e bombear água refrigerada por eles. Isso efetivamente criaria uma barreira de gelo ao redor das instalações afetadas, mantendo a água contaminada dentro e a subterrânea fora.

Apesar do fato do projeto ter sido aprovado, a TEPCO deve ter que rever outras partes do projeto conforme ele progride. Há ainda alguma preocupação que a parede de gelo possa afetar a infraestrutura existente, o que significa que ela deve ser cuidadosamente monitorada conforme o projeto avança. [PhysOrg]

barrinha1

Vazamento de 100 toneladas de água radioativa é detectado em Fukushima

Tóquio, 20 fev (EFE).- A Tokyo Electric Power (Tepco), responsável pela operação da central nuclear de Fukushima, detectou um vazamento de cerca de 100 toneladas de água radioativa em um tanque que armazena o líquido contaminado na usina, mas tudo indica que o mesmo não chegou ao mar, informou nesta quinta-feira à Agência Efe um de seus porta-vozes.

A radiação detectada na água é muito alta, já que, segundo os dados apresentados pela Tepco, foram registrados 230 milhões de becquerels por litro de substâncias emissoras de raios beta.

O vazamento, detectado na última hora de ontem, aconteceu aparentemente na montagem da tampa superior do tanque.

A operadora e proprietária da central garantiu que conseguiu interromper o fluxo de água às 5h40 locais (17h40 de Brasília da quarta-feira), cerca de seis horas depois de descobrir o vazamento.

O líquido teria escorrido até o solo através de uma calha acoplada ao tanque para evitar o acúmulo de água da chuva em sua cobertura.

No entanto, por não existirem estruturas de escoamento no local, a Tepco acredita que o líquido não conseguiu chegar até o mar.

O vazamento ocorreu novamente em um dos tanques que foram construídos rapidamente, após a explosão da crise nuclear em 2011, para armazenar a água utilizada no resfriamento dos reatores acidentados.

Para fundir as partes desses contêineres foram utilizadas resina e fixações metálicas ao invés de solda.

Em tanques deste tipo ocorreram graves vazamentos no ano passado, um dos quais obrigou a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) a classificar o incidente como “sério”, no nível 3 da Escala Internacional de Acidentes Nucleares.

No entanto, o porta-voz da companhia explicou à Efe que a natureza deste último vazamento parece diferir dos ocorridos em 2013.

A Tepco ainda está investigando o motivo do vazamento, enquanto os operários da central estão retirando a maior quantidade de água possível, e também a terra que ficou contaminada.

O terremoto e tsunami de 11 de março de 2011 provocou em Fukushima o pior acidente nuclear desde Chernobyl (Ucrânia), em 1986.

As emissões resultantes fizeram com que as 52 mil pessoas que residiam em torno da central tivessem que abandonar suas casas e afetaram gravemente a agricultura, a pecuária e a pesca local.

Leia mais em: http://noticias.uol.com.br/album/album-do-dia/2014/02/20/imagens-do-dia—20-de-fevereiro-de-2014.htm?abrefoto=6

barrinha1

Após laudo, Agência Nacional de Vigilância Sanitária não vê riscos de contaminação por concentração de metal pesado em produtos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) emitiram nesta sexta-feira (22) nota conjunta a fim de tranquilizar a população sobre a presença do metal pesado cádmio em bijuterias chinesas apreendidas no Rio de Janeiro (RJ). Segundo as agências, o material não apresenta riscos imediatos para a saúde.

Leia mais

barrinha1